O Cartrophen Vet está sujeito a uma rigorosa fiscalização com relação à segurança e eficácia pelas autoridades de regulamentação em todos os países onde é vendido.

Durante estudos clínicos, o Cartrophen Vet mostrou-se eficaz em 80% dos casos. Em um recente estudo clínico aberto realizado no Japão, de acordo com a impressão dos veterinários, 96% dos casos melhoraram com o tratamento do Cartrophen Vet (dados no arquivo da Biopharm Australia Pty Ltd).

O Cartrophen Vet mostrou-se ser um tratamento eficaz contra artrite durante mais de 20 anos de uso comercial e milhões de doses administradas.

Quão rapidamente o Cartrophen Vet atua?

Num estudo de comparação entre o Cartrophen Vet e o anti-inflamatório não esteroidal (AINE), carprofeno, o Cartrophen Vet demonstrou ter resultados iguais ou superiores aos do carprofeno com relação ao alívio da dor e manqueira em testes clínicos. Essa é a primeira vez que uma DMOAD (droga modificadora da doença articular) comprovou oferecer alívio significativo para dor comparável a AINEs convencionais. O Cartrophen Vet tem início de ação mais lento, porém uma maior persistência desses efeitos após o curso recomendado de quatro semanas de tratamento.

graf18graf19-1

Cartrophen em cavalos

O Cartrophen Vet (100 mg/ml de pentosano polissulfato de sódio ou PPS) foi usado em cavalos por mais de 20 anos com 2 a 2,5 mg/kg de PPS (frasco de 10 ml por cavalo de 400 a 500 kg) e mostrou ser um produto confiável e seguro.

O pentosano polissulfato está recebendo reconhecimento por seu papel positivo no tratamento da artrite em equinos e da doença articular traumática. Agindo em vias metabólicas também presentes em cães, o Cartrophen tem um papel positivo a desempenhar no tratamento eficaz da OA em cavalos. No Congresso Internacional de 2008 da Associação Veterinária Mundial de Equinos, o Dr. C McIlwraith da Universidade Estadual de Colorado falou sobre o pentosano polissulfato:

“Trabalhos recentes do nosso laboratório demonstraram resultados favoráveis. Usando o modelo de esteira de fragmentos osteocondral de OA em equinos no carpo, houve um melhora significativa na fibrilação da cartilagem articular e uma forte tendência por uma melhor aparência geral histológica da cartilagem (classificação de Mankin modificada). Além disso, a maioria dos outros parâmetros mostraram diversas melhoras (incluindo claudicação, flexão da articulação, fluido sinovial, TP, produtos de degradação do colágeno do fluido sinovial e síntese de “agrecanas”), embora a significância estatística menor de 0,05 não tenha sido obtida” (McIlwraith, 2008).

Teste clínico em cavalos

Os dados de testes clínicos mostram que cavalos administrados com Cartrophen uma vez por semana por 4 semanas em uma dose média de 2,2 mg/kg demonstraram melhora no escore de claudicação e dor durante o tratamento (semanas 2, 3 e 4) e duas semanas após o fim do curso de tratamento (semana 6). De acordo com a impressão do veterinário e do proprietário, pelo menos 60% dos casos responderam positivamente ao tratamento (dados no arquivo da Biopharm Australia Pty Ltd).

graf21graf22-1

Afinidade por cartilagem

O pentosano polissulfato (sal de cálcio) a 2 mg/kg foi administrado por injeção intramuscular em seis cavalos saudáveis num estudo. O líquido sinovial foi coletado da articulação mediocárpica após 4 horas da injeção. A concentração média de PPS foi 0,6 μg/ml, que de acordo com a literatura, encaixa-se no intervalo reportado para estimular a síntese de proteoglicanos pelos condrócitos e a síntese de ácido hialurônico pelos fibroblastos. Essa concentração também pode ser suficiente para inibir a metaloproteinase neutra (MMP)-3 e aumentar o inibidor tecidual de metaloproteinase (TIMP)-3. Foi proposto que a ligação do pentosano polissulfato com os tecidos conectivos atua como um reservatório para o princípio ativo, o que significa que o pentosano polissulfato não precisa estar constantemente presente no plasma para atingir seus efeitos (Fuller et al., 2002).

graf3